PFL tenta obstruir discussão da reforma da Previdência

O presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), Luiz Eduardo Greenhalgh (PT-SP), acaba de suspender, por cinco minutos, a sessão da comissão, para que a base aliada tente fechar um acordo sobre os procedimentos de discussão da reforma da Previdência na comissão. A sessão foi iniciada com o PFL jogando todas as fichas para obstruir o andamento dos trabalhos e a discussão da proposta enviada pelo governo Lula. O líder do PFL, José Carlos Aleluia (BA), começou sua articulação requerendo votação nominal para dispensar a leitura da ata da reunião anterior da CCJ, um procedimento considerado banal na comissão e normalnente dispensado. Logo depois de ter tido aprovada a dispensa da leitura da ata, Greenhalgh submeteu ao plenário a proposta de inversão da pauta para discutir a reforma. Aleluia, no entanto, apresentou requerimento para adiamento da discussão, quando então a base aliada pediu prazo para negociar. O deputado João Fontes (PT-SE), que foi afastado da comissão pela liderança, está presente à sessão e distribuindo um artigo publicado na imprensa paulista em que afirma que foi vítima de perseguição dentro do PT. Sua substituição como membro da CCJ por um suplente se deveu ao fato de ele ter divulgado uma fita contendo um discurso feito em 1987 pelo então deputado federal Luiz Inácio Lula da Silva, no qual ele se manifestou contra a taxação dos servidores públicos inativos. O deputado Rodrigo Maia (PFL-RJ) passou a integrar a comissão, em substituição a Eduardo Paes (RJ), que foi para o PSDB.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.