PFL só decide vice de Alckmin após resolver alianças nos Estados

A Executiva Nacional do PFL decidiu nesta quinta-feira que a indicação do candidato a vice na chapa do candidato do PSDB à Presidência, Geraldo Alckmin, só será decidida depois de resolvidos os problemas na aliança entre os dois partidos nos estados. A sugestão partiu de um dos cotados para compor a chapa com tucano: o senador José Agripino (RN).Na consulta interna para a indicação do candidato a vice, realizada pelo presidente do PFL, senador Jorge Bornhausen, Agripino teve 43 votos e o senador José Jorge (PE), 55 dos 94 votos. Na quarta-feira, a bancada pefelista no Senado participou de um jantar com o ex-governador paulista. Segundo o presidente do PFL, Alckmin "tem sido muito correto com o PFL e se mostrado interlocutor de confiança nas negociações com o partido".No jantar, o candidato do PSDB teve conversas particulares com os senadores dos estados onde há problemas de aliança do PFL com o PSDB. Ele conversou com os senadores Antonio Carlos Magalhães (BA), Roseana Sarney (MA), Demóstenes Torres (GO) e também com o governador de Sergipe, João Alves.O governador sergipano classificou o tucano como "um homem da melhor estatura, que fez um governo exemplar em São Paulo, com avanços na área social, investimentos e corte de impostos". Para João Alves, Alckmin conseguiu mostrar no governo que sua proposta de reduzir a carga tributária não é só um discurso e por isso tem as condições para presidir o País.Alves disse que está aberto a um "entendimento respeitoso com o PSDB local e defendeu a tese de que as "questiúnculas estaduais" não devem ser empecilho na definição de questões decisivas como a aliança nacional. Em Sergipe o problema é que o ex-governador tucano, Albano Franco, quer a vaga do Senado, da qual João Alves não abre mão, porque sua mulher, a senadora Maria do Carmo lidera as pesquisas na disputa pela reeleição.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.