PFL reforça candidatura de Roseana à Presidência

O PFL decidiu hoje, em reunião da Executiva nacional do partido com os presidentes dos diretórios regionais, reforçar a candidatura da governadora do Maranhão, Roseana Sarney, para a presidência da República. Por unanimidade, os dirigentes do PFL decidiram ceder à governadora o espaço reservado ao partido nos estados para propaganda eleitoral. As inserções do PFL na TV serão feitas até o final do ano, quando a direção pefelista espera ter um quadro mais definido da sucessão presidencial. "Com as inserções nos meios de comunicação, a candidatura de Roseana se fortalecerá ainda mais nos Estados", avaliou o presidente do PFL, senador Jorge Bornhausen (SC). A candidatura de Roseana recebeu o apoio unânime do partido, principalmente do vice-presidente Marco Maciel, presente à reunião de hoje. A própria governadora, por intermédio do senador Edison Lobão (PFL-MA), autorizou o partido a ampliar a divulgação de seu nome em todo o país. Os dirigentes do PFL ficaram animados também com o resultado da pesquisa encomendada pelo partido ao Instituto Vox Populi, divulgada na reunião da Executiva. Realizada entre os dias 24 e 25 de agosto, em 139 municípios, a pesquisa de intenção de voto aponta o nome de Roseana em terceiro lugar, com 14%. O primeiro colocado é o pré-candidato do PT, Luiz Inácio Lula da Silva, com 32%. O ex-ministro Ciro Gomes, do PPS, recebeu 16%; e o governador de Minas, Itamar Franco, ficou em quarto lugar, com 9%. O ministro José Serra, da Saúde, obteve o sexto lugar, com 6%, atrás do governador do Rio, Anthony Garotinho, com 7%. Diante dos números, os pefelistas repeliram qualquer possibilidade de a governadora sair como candidata a vice-presidente na chapa do ministro José Serra. "Isso é uma blasfêmia", ironizou o líder do PFL na Câmara, Inocêncio Oliveira (PE), depois da divulgação da pesquisa. "Como apoiar alguém que só tem 7%?, questionou o líder. Numa eventual disputa com o pré-candidato do PT, Luís Inácio Lula da Silva, no segundo turno, as projeções apontaram 46% para o petista e 32% para a governadora. A pesquisa apontou melhor desempenho de Lula se o candidato da base governista for o ministro da Fazenda, Pedro Malan. No segundo turno, o candidato do PT ficaria com 57% e o ministro, 10%. Já num cenário com o ministro da Saúde, José Serra, também integrante da base aliada, Lula teria 52% e o ministro 22%. O desempenho de Roseana, segundo a pesquisa divulgada pelo PFL, foi mais expressivo se comparado com o de outros candidatos à sucessão presidencial. Para um segundo turno entre Lula e o governador Itamar Franco, o candidato do PT obteve 49% e o governador mineiro, 26%. Mas em relação ao ex-ministro Ciro Gomes, Lula obteve 47% e o pré-candidato do PPS, 33%. Já o governador do Rio, Anthony Garotinho, ficou com 20% enquanto o candidato petista obteve 51% numa disputa em segundo turno.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.