PFL pode recorrer se Temer indeferir questão de ordem

O deputado Roberto Brant (MG), autor da questão de ordem do PFL pedindo a suspensão do processo eleitoral na Câmara, informou há pouco que vai recorrer ao plenário caso o deputado Michel Temer (PMDB-SP), indefira sua questão de ordem. "Se ele indeferir, nós vamos recorrer. O presidente da Câmara não é o último poder. O poder maior é do plenário", disse o deputado ao contestar a decisão de Temer, que desautorizou o presidente da sessão, deputado Heráclito Fortes (PFL-PI). É a primeira vez que o presidente da Casa desautoriza uma decisão do presidente da sessão, completou Brant. Segundo ele, se forem comprovadas as denúncias de que as desfiliações do PFL feitas no dia 14 têm relação com a decisão de Temer (de fixar a data de 15 de dezembro para definir a bancada majoritária), todo o processo eleitoral da Câmara estará fraudado. O deputado Heráclito Fortes rebateu a decisão de Temer afirmando que, por uma questão ética, e diante da relevância da matéria, ele não deveria ter desautorizado a decisão, "inclusive por estar sob suspeita conforme os termos da questão de ordem do PFL". A guerra, que poderia ser apenas regimental, transformou-se numa questão partidária e política. "É óbvio que tem componente político neste jogo", disse o líder do PT, deputado Valter Pinheiro (BA), para afirmar que tanto Temer quanto Heráclito Fortes são partes interessadas nesse processo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.