PFL pede a procurador do MP investigação na Infraero

O PFL entra nesta quarta-feira, 21, com representação no Ministério Público Federal para que sejam apuradas supostas irregularidades em obras da Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (Infraero).Entre os problemas listados pelo Tribunal de Contas da União (TCU) estão artifícios como o de direcionar licitações, turbinar contratos com aditivos sucessivos de 25%, além do pagamento por serviços não concluídos. Esse foi o caso da empresa Talude, que recebeu R$ 8 milhões por serviços em Congonhas e Viracopos que não teriam sido feitos, apesar de pagos antecipadamente.O líder do PFL na Câmara, Ônyx Lorenzoni (RS), anexou quatro relatórios preliminares obtidos no TCU e divulgados pelo Estado nos quais são apontadas irregularidades em oito aeroportos. Para ele, a necessidade de o Ministério Público entrar no caso é semelhante à que ocorreu por ocasião do caso dos Correios, quando os procuradores e a Polícia Federal desmontaram o esquema de corrupção.Na terça-feira, 20, técnicos do partido passaram o dia lendo relatórios do TCU para incluir trechos das denúncias na representação ao MP. ?Estamos pontuando as irregularidades e os crimes cometidos pela direção da Infraero e vamos levar representação ao procurador-geral da República, Antônio Fernando de Souza?, afirmou Lorenzoni.Na sua avaliação, apesar do bom trabalho feito, o TCU não possui a mesma liberdade de ação e velocidade dos procuradores. ?O Ministério Público é mais rápido e tem meios de agilizar investigações sem qualquer interferência de outros Poderes.?Lorenzoni lembrou que também seria fundamental que o Supremo Tribunal Federal se posicionasse a favor da instalação da CPI do Apagão Aéreo. ?Depois dos relatórios do TCU, ficou claro que o governo não quer a CPI para evitar que negócios da estatal sejam denunciados?, disse. ?Toda essa má gestão gerou prejuízo de R$ 450 milhões. Tem truta aí e precisa ser investigada?, finalizou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.