PFL não votará CPMF até reunião da Executiva

O líder do PFL na Câmara, Inocêncio Oliveira, anunciou que o partido não votará a prorrogação da CPMF até quinta-feira, quando a Executiva Nacional do Partido se reúne para definir sua posição em relação ao governo. Ele fez tal anúncio ao deixar reunião na presidência do PFL. O líder fechou esta posição com a governadora do Maranhão, Roseana Sarney, e com o presidente do partido, Jorge Bornhausen, durante sucessivos encontros com as bancadas pefelistas do Rio de Janeiro, Espírito Santo, Bahia e Sergipe. "Se votar amanhã daria a impressão de estar tudo bem e não está", afirmou ele. No encontro com as bancadas. Roseana fez um relato do que ocorreu em São Luis na última sexta-feira, quando agentes da Polícia federal entraram na Lunus, empresa de sua propriedade, e apreenderam documentos. O deputado Paulo Magalhães (PFL-BA) afirmou que, para a bancada baiana, a questão está decidida: a CPMF só será votada depois da reunião da Executiva Nacional. ?O que vale dizer: só semana que vem", disse.Madeira previa votação tranqüilaO líder do governo na Câmara, Arnaldo Madeira (PSDB-SP), disse na manhã de hoje que a crise entre o seu partido e o PFL não deveria alterar a votação em segundo turno, prevista para amanhã, da proposta de emenda constitucional que trata da prorrogação da CPMF. Segundo ele, o texto final, aprovado em primeiro turno, seria votado hoje à tarde "com tranqüilidade". "A CPMF é extremamente importante para qualquer partido", disse Madeira.Ele admitiu como positiva a proposta de se estabelecer uma alíquota simbólica para a CPMF, com o objetivo de preservar o seu caráter fiscalizatório. Mas descartou a possibilidade de aceitar essa alteração na votação em segundo turno da proposta de emenda constitucional que prorroga a contribuição. Segundo Madeira, qualquer alteração, agora, só em outra emenda constitucional. A proposta de uma alíquota simbólica é do líder do PT, João Paulo Cunha (SP).Arnaldo Madeira participa nesta manhã, no Palácio do Planalto, de uma reunião "de rotina", para tratar da agenda de votações. No encontro, o líder pretende saber detalhes da reunião de ontem à noite entre o presidente Fernando Henrique Cardoso e os ministros do PFL. "A nossa preocupação não é com o comportamento do PFL na votação da CPMF, mas saber se o partido fica ou não no governo", disse o líder.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.