PFL impõe condição para limpar pauta da Câmara

O líder do PFL na Câmara, deputado Rodrigo Maia (RJ), anunciou, ao chegar à Casa, que seu partido fechará acordo para limpar a pauta de votações e votar a proposta de emenda constitucional (PEC) que acaba com o voto secreto no Congresso. Maia afirmou que o PFL concorda em votar, de forma simbólica, as 29 medidas provisórias (MPs) que trancam a pauta do plenário e também votar o projeto da Lei das Micro e Pequenas Empresas para depois votar a PEC do voto aberto. Em contrapartida, o governo terá que retirar o regime de urgência de cinco projetos que também têm prioridade de votação após as MPs. "A retirada das urgências interessa também ao governo, que precisa dar uma resposta à sociedade", afirmou Rodrigo Maia. Ele disse que as votações no atual período de esforço concentrado, que vai até quarta-feira, são de interesse do País. Maia considerou "fundamental" o voto aberto nos processos de cassação de mandatos de parlamentares. Lembrou que, no caso do acusados de envolvimento no chamado esquema do mensalão, o voto fechado, no plenário da Câmara, fez com que parte dos deputados levasse em conta mais os interesses partidário e de amizade do que os da própria Câmara. "A imagem da instituição ficou manchada por trás do voto secreto", afirmou.O líder do PFL disse acreditar que até quarta-feira será votada a proposta do voto aberto, que, por se tratar de emenda à Constituição, precisa de um quórum maior para aprovação - 308 votos favoráveis.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.