PFL envia representação ao Ministério Público contra Infraero

O líder do PFL, deputado Onyx Lorenzoni (RS), protocolou no Ministério Público uma representação contra a diretoria da Infraero referente ao período de 2003 a 2006. A base para a representação são dez processos em que o Tribunal de Contas da União (TCU) apura denúncias de irregularidades na empresa. "Há, com freqüência suspeita, direcionamento de licitação, constantes aditamentos que turbinam o valor da obra, superfaturamento de material", afirmou Lorenzoni sobre os indícios de irregularidades na empresa."Os fatos dão indicativo ao Ministério Público de que pode ter havido, e continuado, o mesmo esquema de desvio de dinheiro público, como o realizado nos Correios e identificado pela CPI", continuou Lorenzoni. O líder entregou a representação ao vice-procurador-geral Roberto Gurgel dos Santos. O Estado publicou nesta quarta que, em quatro anos, o TCU abriu pelo menos 48 processos para investigar supostas irregularidades Infraero. As investigações fazem parte do arsenal de fatos que a oposição ao governo na Câmara esperava aprofundar com a abertura da CPI do Apagão Aéreo. Parte dos processos em tramitação no tribunal foi aberta a partir de denúncias anônimas. Pelas regras do TCU, seriam arquivadas pela origem apócrifa, mas acabaram se tornando objeto de apuração por causa da gravidade das supostas irregularidades que relatavam.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.