PFL e PSDB fecham acordo para votar 7 MPs na Câmara

Depois de quase um mês obstruindo as sessões da Câmara, o PFL e o PSDB fecharam um acordo com o governo para votar as sete medidas provisórias que estão trancando a pauta da Câmara. Pelo acordo, o deputado Rodrigo Maia (PFL-RJ) será mantido na relatoria da medida provisória que fixa em R$ 260 o salário mínimo. Maia será relator apenas na comissão especial para que o PFL tenha espaço para sustentar discurso de oposição. Seu relatório não será votado na comissão. No plenário, o presidente da Câmara, João Paulo Cunha (PT-SP), indicará um novo relator, que será do PT.O acordo prevê ainda que duas emendas, uma do PFL e outra do PSDB, à MP do mínimo serão votadas nominalmente para expor os deputados que vão votar favoravelmente aos R$ 260. Também foi acordado que o governo vai retirar a urgência do projeto de lei que regulamenta as agências reguladoras.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.