PFL diz que eleição na Câmara "está viciada"

O presidente do PFL, senador Jorge Bornhausen (SC), disse hoje que a eleição na Câmara "está viciada", para justificar a questão de ordem apresentada pelo partido pedindo a suspensão das eleições em função das denúncias de que parlamentares do PFL foram atraídos para o PMDB em troca de vantagens financeiras. O PFL pediu ainda que as transferências sejam suspensas. O senador disse que não teme uma crise política por causa da decisão do PFL. "A crise já existe, no momento em que se deu resposta a uma questão de ordem sem base jurídica", reclamou Bornhausen, referindo-se à decisão do presidente da Câmara, Michel Temer, de considerar o PSDB a maior bancada naquela Casa, com o acréscimo dos novos deputados conquistados por aquele partido. O senador defendeu a instalação de uma CPI para investigar as denúncias. "Se houve falta de decoro, sou a favor da cassação (dos mandatos)", disse o senador. Ele explicou que a decisão do PFL foi baseada em declarações do presidente do PT, deputado José Dirceu (SP), que teria defendido em entrevistas a suspensão das eleições e a instalação de uma CPI. Bornhausen disse que no Senado a eleição deve ser realizada no dia 14, pois lá "não há nenhuma mancha, nenhuma fraude". O senador reafirmou que seu partido irá lançar um terceiro candidato à presidência do Senado, e mostrou estar convicto que ele será o vencedor da disputa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.