PFL define apoio ao plano governamental

A comissão executiva nacional do PFL deverá aprovar hoje, com maioria folgada de votos, o apoio do partido ao plano de ação governamental para o biênio 2001/2002. O presidente Fernando Henrique Cardoso revelou ontem a um assessor palaciano que espera receber entre 16 e 22 votos do colegiado de 24 dirigentes pefelistas. Segundo o assessor, a boa notícia tem origem na contabilidade do vice-presidente Marco Maciel e do presidente nacional do partido, senador Jorge Bornhausen (SC).Nem o grupo ligado ao senador Antônio Carlos Magalhães (PFL-BA) nem a ala ligada a Maciel e Bornhausen duvidavam ontem da manifestação de apoio ao governo, por meio do plano. A maior preocupação dos dirigentes das duas alas era fazer a pacificação interna, para evitar o confronto pessoal entre Bornhausen e ACM na reunião. Tanto que a primeira providência dos "bombeiros" foi reduzir os focos de atrito, adiando para a semana que vem a briga pela liderança do partido na Câmara e fechando a pauta da executiva no exame do plano de ação do governo, para evitar a discussão de polêmicas internas. Leia Mais

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.