PFL avalia que candidato próprio é "golpe mortal" contra Inocêncio

Em reunião da bancada do PFL, o presidente do Senado, Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA), tentou animar os companheiros com uma contabilidade otimista. ACM apostou que o candidato do PFL terá não só os 21 votos pefelistas, mas o apoio de 4 avulsos (incluem-se aí dois senadores do PPB, o senador sem partido Luiz Otávio e o próprio Arlindo Porto), de cinco dissidentes do bloco de oposição e de mais meia dúzia de tucanos e peemedebistas. Bornhausen contestou a fartura de votos na esquerda, no PMDB, e no PFL, mas concordou que, com 33 votos, o candidato do PFL vencerá Jader na disputa. Em suas contas, o PMDB terá apenas 30 votos. Com ou sem chances de vitória, o alto comando da campanha pefelista na Câmara considera o lançamento de candidatura própria no Senado "um golpe mortal" contra Inocêncio. Raciocinam os deputados que, se a prioridade do partido é presidir a Câmara, com a vitória do líder, entrar em campo no Senado seria o mesmo que "jogar a toalha" na Casa ao lado. Têm razão. Tanto, que um ministro tucano que acompanha atento a sucessão do Congresso duvida de que Bornhausen mantenha seu nome no final, por uma razão concreta: já não há dúvidas de que haverá segundo turno na Câmara, entre o pefelista e o líder Aécio Neves e, na avaliação do ministro, o PFL não prejudicará Inocêncio porque ele é competitivo. Mas o nervosismo entre os deputados pefelistas é tamanho que, enquanto os senadores jantavam na casa de Hugo Napoleão, a coordenação da campanha de Inocêncio reunia-se no apartamento do candidato. Os 12 deputados da linha de frente chegaram a cogitar uma visita conjunta à bancada do Senado, para forçar o voto em Jefferson Peres. Foram atalhados pelo primeiro vice-presidente da Câmara, Heráclito Fortes (PI), que desaconselhou a manobra ostensiva. "Sinto-me autorizado a tratar de assuntos do interesse do meu Estado no tapete verde (o da Câmara)", disse Heráclito. "No tapete azul (que cobre o assoalho do Senado), até segurança para mim é excelência".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.