PFL agora quer adiar eleição na Câmara

O PFL resolveu fazer uma manobra de última hora para tentar ganhar tempo, e decidiu pedir o adiamento da eleição para a presidência da Câmara, marcada para esta quarta-feira. Os pefelistas alegam que as denúncias publicadas pela revista Veja, de que três deputados federais baianos teriam recebido dinheiro para trocar o PFL pelo PMDB, são muito graves e, portanto, precisam ser investigadas antes da eleição. Já o PMDB, no Senado, estuda entrar no STF com uma ação para impedir que o senador Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA) comande a sessão que escolherá o seu sucessor. "É preciso adiar a eleição até que a investigação fique concluída, a fim de que não paire nenhuma suspeita?, sustentou o vice-presidente do PFL, senador José Jorge (PE). Segundo José Jorge, o PFL vai se aliar ao PT para a criação de uma CPI destinada a investigar a denúncia de compra de mandatos de deputados pefelistas da Bahia pelo líder do PMDB, deputado Geddel Vieira Lima (BA). O presidente da Câmara, deputado Michel Temer (PMDB-SP), já reagiu à iniciativa do PFL e descartou o adiamento da eleição. "Não há a menor possibilidade de adiamento, até porque o regimento interno da Câmara é claro e prevê que a eleição tem que ser realizada até o dia 15 de fevereiro", afirmou Temer. "Isso é uma piada de mau gosto; o Brasil não é uma republiqueta", disse o presidente nacional do PMDB e candidato à presidência do Senado, Jader Barbalho (PA).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.