PF vai apurar documentação de celular de Lacerda

O delegado Diógenes Curado Filho, responsável pelo inquérito que apura a compra do dossiê contra políticos tucanos, vai requisitar a documentação de habilitação do celular pré-pago em nome de Ana Paula Cardoso Vieira. Segundo apurou a Polícia Federal (PF), foi usado por Hamilton Lacerda como "telefone seguro" durante a operação de compra do dossiê. Na última segunda-feira, Ana Paula prestou depoimento à PF na superintendência em São Paulo e afirmou que não autorizou a habilitação do aparelho. Curado quer checar se houve fraude no processo de habilitação e, se for o caso, tentar identificar os responsáveis.Lacerda, ex-assessor de campanha de Aloízio Mercadante, é apontado como o "homem da mala", pois foi flagrado pelas câmeras de segurança do Hotel Íbis levando a sacola preta com o dinheiro destinado à compra do dossiê. Em seu depoimento, Ana Paula, uma produtora teatral de 26 anos formada em direito pela Universidade de Campinas, afirmou que não conhece Hamilton Lacerda ou qualquer outro personagem envolvido no escândalo do dossiê. Afirmou que estava em Salvador, trabalhando na execução de uma peça de teatro no período de agosto e setembro, quando o pré-pago em seu nome circulava por São Paulo. Disse ainda que não é filiada a nenhum partido político.De acordo com as investigações da PF, Lacerda teria falado com todos os demais acusados de envolvimento no caso utilizando o celular em nome de Ana Paula. Foram 71 ligações feitas para Oswaldo Bargas, Jorge Lorenzetti e Gedimar Passos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.