PF testa avião sem piloto para fronteira

Dotado de câmeras, Vant vai vigiar divisas na região de Foz do Iguaçu

Vannildo Mendes e Evandro Fadel, O Estadao de S.Paulo

16 de julho de 2009 | 00h00

A Polícia Federal iniciou nesta semana os testes com um veículo aéreo não tripulado (Vant) dotado de câmeras para a vigilância da fronteira do Brasil com o Paraguai e Argentina, na região de Foz do Iguaçu, no oeste do Paraná. Com autonomia de voo para 20 horas e mais de 10 metros de envergadura, o equipamento é controlado remotamente por terra e deverá auxiliar nos trabalhos de repressão a atos ilícitos ao longo da faixa de fronteira.Segundo a PF, este é o primeiro aparelho de uma série de três a serem adquiridos pela corporação, a primeira polícia do mundo a operá-lo. O equipamento, de fabricação israelense, já é utilizado em escala militar em algumas regiões do mundo. Com binóculos de visão noturna, será operado durante o período de testes, que não tem prazo para terminar, em uma base montada no município de São Miguel do Iguaçu. Em uma nota, a PF acentuou que a região da tríplice fronteira foi definida como prioridade para a instalação e operação do equipamento. A polícia registrou, ainda, que ali já vem acontecendo reforço de recursos humanos e materiais visando um enfrentamento mais efetivo do crime organizado. Israel tem usado Vants para espionar - sem risco para seus soldados - as áreas de guerra e aquelas mais expostas a conflitos com os palestinos. No Brasil, o aparelho já tem algumas utilidades bem definidas, uma delas é o monitoramento de fronteira do Brasil com os vizinhos, sobretudo áreas estratégicas como a da tríplice fronteira, no Sul e as divisas com a Colômbia, Bolívia, Peru e Paraguai, território livre para o tráfico de drogas e de armas, contrabando e a criminalidade em geral. A outra utilidade estratégica será o monitoramento de áreas indígenas e o combate a crimes ambientais. O Vant evitará o contato com índios de etnias não aculturadas ou arredias, que preferem distância dos não-índio, embora precisem de proteção contra os frequentes ataques de madeireiros, caçadores, garimpeiros e toda sorte de devastadores. Até 2014, com novas compras, o objetivo é cobrir todo o território nacional com a atuação desse equipamento. Voando sem tripulação, a aeronave é controlada remotamente desde bases em terra, levando potentes câmeras que permitem visualizar de grande altitude o movimento de veículos e pedestres. A importância estratégica do Vant é tão significativa para a PF como foi na década de 90 o Guardião, um software de interceptação telefônica que permite grampear até 400 ligações simultâneas. "Poderemos chegar a lugares que hoje não chegamos e ver os alvos de cima sem risco de sermos atingidos", explicou o delegado Alessandro Moretti, coordenador do Cintepol. Do inglês UAV (Unmanned Aerial Vehicle), os Vants são conhecidos pela denominação 3D, referência às missões impensáveis para aviões tripulados: dull (enfadonhas), dangerous (perigosas) e durty (sujas).ESPIÃOÉ controlado à distância; É mais maleável, silencioso e tem autonomia de 40 horas;Gera imagens de alta qualidade, transmitidas em tempo real;Permite voos longos, sem restrição, facilitando o acesso a locais com alta contaminação, zonas de guerra e locais de alto risco;Possui equipamentos úteis no levantamento de recursos florestais e controle de pragas e grandes queimadas; Aplicação planejada pela PF de combate ao tráfico de drogas, tanto prevenção como repressão, e crimes ambientais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.