PF terá aumento de efetivo em Guarulhos

O ministro da Justiça, Paulo de Tarso Ribeiro, informou que, a pedido da Câmara de Comércio Exterior (Camex), a Polícia Federal irá aumentar o efetivo de policiais no Aeroporto de Guarulhos, em São Paulo. O objetivo é agilizar o desembaraço de passageiros de vôos internacionais. O coordenador-geral da Polícia Marítima, Aeroportuária e de Fronteiras, delegado Rogério Sales, informou que o efetivo de policiais federais deve, pelo menos, ser duplicado. Segundo ele, que também participou da reunião da Camex, atualmente 50 policiais trabalham no Aeroporto de Guarulhos. O ideal, disse Sales, seria aumentar esse número para 120 policiais. "Guarulhos tem o triplo do movimento do Aeroporto Tom Jobim, no Rio, mas tem um terço dos policiais", afirmou, ao deixar o Ministério do Desenvolvimento. Sales disse ainda que o número de policiais pode chegar a 300 homens, caso seja realizada a reestruturação do Aeroporto de Guarulhos, que prevê a fiscalização eletrônica inclusive dos brasileiros. Ele disse que o efetivo pode variar de acordo com o número de vôos internacionais que, na sua avaliação, podem ser reduzidos em função da retração na economia. O delegado informou que duas turmas de policiais federais estão sendo formadas até o final do ano. Esses homens, disse, serão prioritariamente lotados em Guarulhos. O Aeroporto de Guarulhos recebe por ano 15 milhões de passageiros vindos do exterior. O ministro da Justiça informou também que o Ministério da Justiça, por meio do Comitê de Repressão de Pirataria, irá intensificar os trabalhos e intensificar a divulgação dos resultados. O pedido foi feito pelos ministros do Desenvolvimento, Sérgio Amaral, e da Fazenda, Pedro Malan. Havia uma preocupação do governo em encontrar uma forma de divulgação dessas ações, sem que ficasse caracterizada como propaganda eleitoral. De acordo com o que foi acertado na reunião da Camex, o Ministério do Desenvolvimento se encarregará de fazer a divulgação, utilizando a sua assessoria de Imprensa e as empresas terceirizadas que distribuem matérias para emissoras de rádio em todo o Brasil. A reunião da Camex ainda não terminou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.