PF recomenda cautela por causa das eleições

A Federação Nacional dos Delegados de Polícia Federal transmitiu um alerta a todos os sindicatos regionais da categoria e repartições da corporação para que seja adotado o ?máximo de cautela nas operações policiais neste ano eleitoral?.O documento é assinado pelo delegado Armando Rodrigues Coelho Neto, presidente da federação. Para Coelho Neto, ?a PF não pode ficar de mãos atadas, nem deixar de cumprir suas atribuições constitucionais com receio de que seus atos tomem conotação político-eleitoral?.O presidente da Federação dos Delegados Federais recomenda ?cuidados especiais para que ações revestidas de legalidade não comprometam a imagem da instituição, nem se convertam, involuntariamente, em espetáculos policialescos?.Os delegados não aceitam acusações de que a PF estaria agindo com ?interesse eleitoreiro?. Deputados e senadores do PFL denunciam que a Polícia Federal estaria movendo ?perseguição política? contra a ex-governadora do Maranhão Roseana Sarney ? pré-candidata do PFL à Presidência.O ex-diretor-geral da PF, delegado Agílio Monteiro Filho, é filiado ao PSDB. Ele deixou o comando da corporação na semana passada e deve candidatar-se a deputado federal pelo PSDB de Minas. Quando a PF fez a blitz nos escritórios da Lunus Participações, empresa de Roseana e de seu marido, Jorge Murad, em São Luís, Agílio declarou que a operação obedeceu a uma determinação judicial.Segundo Coelho Neto, a intimação da ex-governadora também ?é uma atitude legal?. Para o presidente da Federação dos Delegados da PF, o fato de um diretor da PF ter filiação partidária ?não enfraquece a instituição?. ?Isso é democracia?, diz o delegado Coelho Neto.Segundo ele, ?por princípio, os delegados querem um distanciamento político para evitar esse tipo de especulação?. ?A filiação não é razoável, mas na democracia é assim.? Outro ex-diretor-geral da PF, delegado Vicente Chelotti, também é candidato a deputado federal, pelo PMDB, no Distrito Federal. Ele faz dobradinha com o governador Joaquim Roriz.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.