PF recapturou 25 acusados de fraudar compra de ambulâncias

A Polícia Federal conseguiu recapturar 25 pessoas acusadas de superfaturar licitações para a compra de ambulâncias superfaturadas e influenciar a aprovação de emendas parlamentares e obter dinheiro público para as fraudes. A nova operação da PF para prender os acusados foi necessária depois que o Supremo Tribunal Federal (STF) revogou decisão judicial que havia liberado as 48 pessoas que estavam presas. Ainda faltam 29 acusados que estão foragidos.A Operação Sanguessuga expediu 54 mandados de prisão. Destes 25 detidos, cinco estão na superintendência da Polícia Federal em Brasília. São eles: o ex-deputado Carlos Rodrigues, os assessores da Câmara Otavio Souza Bezerra, Regis de Moraes Galheno e Nívia Martins de Oliveira, além do empresário Ricardo Augusto França da Silva.OperaçãoA Polícia Federal efetuou uma série de prisões, no dia 4 de maio, na chamada Operação Sanguessuga, de pessoas suspeitas de envolvimento na fraude, que já teria movimentado R$ 110 milhões. Entre os presos estavam dois deputados, assessores de parlamentares, empresários e uma funcionária do Ministério da Saúde. De acordo com a PF, o esquema funcionava desde 2001 e consistia na oferta, por parte da empresa Planam, do Mato Grosso do Sul, de ambulâncias para as prefeituras de todo o País e empresas não-governamentais que recebem ajuda do governo. As compras eram feitas por meio de licitações irregulares, a valores superfaturados.Grampos telefônicos realizados pela PF e pelo Ministério Público Federal em Cuiabá revelaram a ligação entre parlamentares e integrantes da quadrilha.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.