PF quer mais 30 dias para concluir caso Waldomiro

A Polícia Federal pediu hoje a prorrogação, por mais 30 dias, doinquérito que apura o envolvimento do ex-assessor do Palácio do Planalto Waldomiro Diniz, com o empresário de jogos, CarlosRamos, o Carlinhos Cachoeira. Até hoje, o delegado que preside o caso, Antônio César Nunes, não havia recebido qualquerdocumentação relacionada à denúncia contra Diniz, inclusive a fita em que o ex-assessor palaciano pede propina de 1% deCachoeira.O único avanço até agora foi em relação ao contrato da Caixa Econômica Federal com a empresa Gtech, onde estápraticamente confirmado que o ex-assessor usou de sua influência para favorecer o consultor Rogério Buratti. As outras duaslinhas de investigação - o autor das gravações feitas no aeroporto de Brasília e o recebimento de propina - estão praticamenteparadas. Ontem, a Justiça Federal no Rio de Janeiro decidiu vetar o acesso da PF ao material apreendido na casa de Dinize nas empresas de Cachoeira, o que poderá atrasar, ainda mais, as investigações.A PF acredita que poderáavançar nas investigações a partir dos fatos revelados pelos executivos da Gtech, Marcelo Rovai e Antônio Carlos Lino Rocha,que confirmaram a participação de Diniz nas negociações com a Caixa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.