PF prende prefeito de Macapá

A "Operação Pororoca", deflagrada quinta-feirapassada pela Polícia Federal, prendeu nesta madrugada oprefeito reeleito de Macapá, João Henrique Pimentel (PT).Ontem à noite também foi preso o prefeito da segunda maior cidade do estado do Amapá (Santana), Rosemiro Rocha(PL). Pimentel foi preso no município de Santarém (PA) e levadopara Macapá, onde chegou algemado às 4h da madrugada (5h emBrasília).Há indícios de irregularidades em três obras executadasatravés de convênios entre a Prefeitura de Macapá e o governofederal, como a construção do Hospital do Câncer, orçado emR$ 6.341.138,00. As outras obras são um canal (R$ 2,9milhões) e uma creche (R$ 190 mil).Em uma conversa gravada pela PF, o empresário Eduardo Correa,sócio proprietário da Método Norte Engenharia e consideradopela Polícia Federal como o "cabeça do esquema", diz ao seusócio Francisco Leite que vai destinar parte dos recursos daobra do hospital do Câncer para pagamento de propina aoprefeito "a fim de acalmá-lo".Em dezembro do ano passado, Eduardo Correa disse ao prefeitoJoão Henrique que teve de usar de muitos artifícios paraconseguir recursos para a Prefeitura de Macapá. Para tantoteve que conversar com os deputados federais do Amapá, HélioEsteves (PT), Benedito Dias (PP) e Davi Alcolumbre (PDT). Na gravação, o empresário explica ao prefeito que, da emenda para o Hospital do Câncer, já foram pagos R$ 680 mil e o restante ficaria inscrito em restos a pagar. Como, segundo o empresário, se estava pedindo "restos a pagar", seria necessário uma emenda do deputado Hélio Esteves de R$ 700 mil e outra de Benedito Diasde R$ 550 mil. Para resolver o problema, o prefeito João Henriquediz ao empresário que iria conversar com "um cara da saúde, omais influente do partido, para agilizar o parecer".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.