PF prende o 32º indiciado na Operação Saúva

De acordo com a assessoria da PF, o último preso, o capitão do Exército José Ilídio Quincas, chegou em Manaus às 23 horas deste domingo, vindo da França, onde passava férias e foi levado à sede da PF. O capitão, como os outros nove membros do Exército envolvidos, são acusados de dar informações privilegiadas sobre licitações para alimentos nos quartéis, além de venda indevida de gêneros alimentícios da instituição.O esquema batizado de Operação Saúva envolveu 30 empresários e funcionários públicos e, entre eles, 10 militares reformados e da ativa acusados de participar de uma quadrilha que fraudava licitações públicas de gêneros alimentícios no Amazonas.Um alvará de soltura expedido ainda ontem beneficiou o capitão do Exército Henrique Botelho, solto na manhã desta segunda-feira. O juiz Ricardo Augusto Salles expediu o alvará de soltura a pedido do delegado responsável pelas investigações, que considerou que o capitão já tinha colaborado com seu depoimento. O capitão Fábio Capechi também deve ser solto pelo mesmo motivo, ainda nesta segunda-feira.Dos 32 mandados de prisão, 23 pessoas foram presas em Manaus. No Amazonas, em um ano, a Polícia e a Receita Federal apuraram terem sido fraudadas licitações e realizadas compras superfaturadas em mais de R$ 126 milhões em alimentos pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), pelo Exército brasileiro, pelo governo estadual e pelas prefeituras da capital e de Presidente Figueiredo, município a 107 quilômetros de Manaus.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.