PF prende filho da governadora do RN e mais 11 por fraude

Operação Hígia, referência a deusa grega, cumpre 13 mandados de prisão; prejuízo passa de R$ 36 milhões

Juliano de Souza, de O Estado de S. Paulo,

13 de junho de 2008 | 08h56

Com quase 200 policiais, as superintendências da Polícia Federal no Rio Grande do Norte e Paraíba iniciaram às 5h30 desta sexta-feira, 13, a Operação Hígia. Entre as 12 pessoas detidas na ação, está o filho da governadora Wilma Maria de Faria (PSB), o assessor parlamentar Lauro Maia, no edifício La Fontana, no bairro Tirol. A acusação contra Lauro envolve a prática de influência para que o governo do Estado fechasse contratos de serviços temporários na área da saúde. Ao todo, a polícia cumpre 13 mandados de prisão e 42 mandados de busca e apreensão nos dois Estados. A escolha do nome Hígia faz analogia à deusa grega patrona da saúde.   Veja também: As ações da Polícia Federal no governo Lula   O objetivo da operação é desarticular uma quadrilha responsável por desvio de verba pública em contratos de higienização hospitalar e locação de mão-de-obra. Os valores dos contratos fraudados, segundo a PF, chegam à soma de mais de R$ 36 milhões, em todo o período investigado, desde 2005.   A polícia informa também que houve a prática de corrupção de agentes públicos e tráfico de influência para contratações emergenciais. O advogado Erick Pereira, que defende Lauro Maia, acredita que o seu cliente possa ser liberado ainda nesta sexta.   A quadrilha promovia o desvio de verbas públicas por meio de contratos mantidos pelas empresas investigadas com o Poder Público. Os contratos eram celebrados e prorrogados mediante o pagamento de vantagens pecuniárias indevidas a servidores públicos, estando configurado também o tráfico de influência exercido por agentes políticos da região.    As investigações se iniciaram no final de 2005 e foram conduzidas pela Superintendência Regional da PF no Rio Grande do Norte. O pagamento das faturas mensais dos contratos ilicitamente celebrados equivale a R$ 2,4 milhões ao mês.   Os presos poderão responder pelos crimes de falsidade ideológica, peculato, corrupção, prevaricação, tráfico de influência, fraude à licitação, dispensa indevida de licitação, patrocínio de interesse privado e prorrogação contratual indevida. As penas cominadas isoladamente variam de três meses a 12 anos de reclusão, podendo chegar ao máximo de 65 anos.   Resposta oficial   O Governo do RN divulgou nota nesta sexta sobre a operação. Leia na íntegra:   O Governo do Rio Grande do Norte aguarda detalhes da operação deflagrada no Estado pela Polícia Federal para se pronunciar oficialmente sobre o assunto e tomar as providências administrativas que forem necessárias. Desde já, no entanto, o governo se coloca à disposição da polícia e da Justiça para ajudar no rápido esclarecimento dos fatos. Informa ainda que a governadora Wilma de Faria ficou abalada ao saber das prisões ocorridas hoje de manhã e que desconhece o teor das acusações feitas contra alguns de seus auxiliares e contra seu filho, Lauro Maia, que não tem qualquer vínculo funcional com a atual administração.   Da mesma forma, o governo espera que as pessoas citadas consigam provar sua inocência.   Atualizado às 18h25   (com Rosana de Cassia, da Agência Estado e Paulo Zulino, do estadao.com.br)

Tudo o que sabemos sobre:
Operação HigiaPolícia Federal

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.