PF prende cúmplices de fraudadores do INSS

Agentes federais prenderam hoje de manhã dois homens que recebiam aposentadorias fraudulentas do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) numa agência do Banco do Brasil, em Campo Grande, zona oeste. Eles são suspeitos de integrar a quadrilha do ex-servidor do instituto Jurandir Anastácio, preso no mês passado. Anastácio é acusado de comandar esquema que fatura R$ 424 mil mensais, provenientes de 500 benefícios.A força-tarefa formada por representantes do Ministério Público Federal, Delegacia de Prevenção e Repressão a Crimes Previdenciário (Deleprev, de Polícia Federal), e INSS, investigava a agência do Banco do Brasil onde vários benefícios fraudulentos vinham sendo sacados, quando abordaram o serralheiro desempregado José Lopes Quirino, de 49 anos. Muito nervoso, Quirino confessou que acabara de sacar R$ 860 e entregaria 80% do dinheiro a Milton Sinquini Filho, de 40 anos, que o aguardava num bar nas proximidades. O serralheiro tinha com ele outros quatro cartões magnéticos de aposentados. Com um deles, Quirino recebia R$ 640 mensais desde 1993.De acordo com o delegado titular da Deleprev, Roberto Maia, o nome de Sinquini já havia aparecido no inquérito que determinou a prisão preventiva de Jurandir Anastácio: era dele o carro que Anastácio dirigia. "Há talvez uma vinculação desse caso de hoje (ontem) e a quadrilha do Jurandir", disse Maia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.