PF prende 26 em esquema de desvio de recursos para obras do PAC

A Polícia Federal prendeu 26pessoas nesta sexta-feira acusadas de envolvimento em umesquema que desviou 700 milhões de reais de obras de construçãocivil. Outras 12 pessoas que tiveram prisão decretada ainda nãoforam detidas. "Parte significativa dessas transferências se destinam acustear obras que integram o Programa de Aceleração doCrescimento", informou a PF em nota. A operação, intitulada João-de-Barro, é a maior da PolíciaFederal neste ano, com a participação de 1.000 agentes doórgão. A mobilização inclui a realização de 231 mandados debusca e apreensão em oito Estados, inclusive na Câmara dosDeputados em Brasília e em prefeituras de Minas Gerais. "Até agora foram presas 26 pessoas, entre elas servidorespúblicos, empresários e lobistas", disse uma assessora deimprensa da Polícia Federal no início da tarde de sexta-feira. De acordo com a PF, entre as obras que tiveram recursosdesviados estão a construção de casas populares e de estaçõesde tratamento de esgoto em várias cidades. Por conta dosdesvios, a realização dos projetos e sua qualidade foramcomprometidas. Pelos cálculos dos policiais federais, a operação podeimpedir que mais 2 bilhões de reais sejam desviados peloesquema. Os recursos eram provenientes da União, através deempréstimos ou convênios com a Caixa Econômica Federal e BancoNacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). A operação teve início após uma auditoria do Tribunal deContas da União ter revelado indícios de fraude em 29municípios de Minas Gerais. Os outros Estados incluídos na operação são Rio de Janeiro,São Paulo, Espírito Santo, Rio Grande do Norte, Goiás eTocantins. (Por Pedro Fonseca)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.