PF prende 14 acusados de fraude contra assentados

A Polícia Federal prendeu ontem 14 pessoas (advogados, empresários e funcionários públicos) acusadas de fraude contra assentados do extinto programa agrário Banco da Terra, custeado com recursos federais, no interior de São Paulo. A Operação Capelinha foi desencadeada simultaneamente em Sorocaba, Itu, Buri e Taquarivaí.O grupo adquiria por valores irrisórios os lotes de um projeto de assentamento que custou mais de R$ 1,3 milhão aos cofres públicos. A área de 260 hectares da Fazenda Capelinha, em Taquarivaí, fora adquirida em 2001 para assentar sem-terra. O governo investiu R$ 650 mil na compra da propriedade e outros R$ 650 mil em infra-estrutura.A quadrilha se infiltrou na Associação dos Agricultores Familiares de Taquarivaí para aplicar o golpe. Cada lote, avaliado em R$ 35 mil, era comprado por valores entre R$ 700 e R$ 1,5 mil, segundo a PF. Dos 29 lotes do assentamento, 25 já estavam com o grupo. Dois advogados eram usados para ameaçar os assentados com a retomada do lote em razão de débitos contraídos com o programa. Em caso de resistência, pressionavam as famílias dos trabalhadores. Algumas foram expulsas do assentamento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.