PF percorre bingos, mas caça-níqueis não param

Os bingos foram orientados a não abrir neste sábado, mas os caça-níqueis funcionaram livremente na maioria dos bares, lanchonetes, padaria, fliperamas. Policiais federais percorreram alguns bingos da capital paulista. "Os agentes foram verificar as casas para constatar se não se está respeitando a determinação da Presidência da República", disse Darck Brasil, do serviço de comunicação social da PF.Quanto à apreensão das máquinas caça-níqueis, Brasil informou que o efetivo da PF é pequeno para impedir o funcionamento. "Não há como verificar em toda a capital o funcionamento ou não. Esse trabalho deverá ser feito, possivelmente, em conjunto com as outras polícias."O secretário da Segurança Pública do Estado, Saulo Abreu, por meio de sua assessoria, informou que pretende se inteirar do texto da Medida Provisória para depois determinar providências. Os caça-níqueis movimentam em São Paulo cerca de R$ 100 milhões por ano. O jogo é livre. Ninguém fiscaliza.Os bicheiros são os maiores exploradores das máquinas. Alguns chegaram a marcar território. Um deles, Francisco Plumari, o Chico da Ronda, na briga pela instalação das máquinas, foi assassinado no fim do ano passado.O Ministério Público e o Departamento de Investigações sobre o Crime Organizado (Deic) ensaiaram em 2003, sem sucesso, uma grande investigação sobre os bingos e os caça-níqueis.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.