Dida Sampaio/Agência Estado
Dida Sampaio/Agência Estado

PF notifica Planalto sobre quebra de sigilo de ex-assessor de Temer

Quebra de sigilo dos e-mails de Loures foi determinada pelo ministro Luís Roberto Barroso, em mais uma decisão que contraria a Presidência da República

Carla Araújo, O Estado de S.Paulo

13 Março 2018 | 17h39

 A Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República informou em nota oficial na tarde desta terça-feira, 13, que recebeu a notificação do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre a quebra de sigilo telemático do ex-assessor especial Rodrigo Rocha Loures. “Todas as informações estão sendo providenciadas e serão enviadas tão logo o levantamento seja concluído”, afirmou a nota.

Segundo fontes do Planalto, agentes da Polícia Federal trouxeram a notificação ao quarto andar do Palácio do Planalto. A quebra de sigilo dos e-mails de Loures foi determinada pelo ministro Luís Roberto Barroso, em mais uma decisão que contraria a Presidência da República, como a quebra de sigilo bancário do presidente Michel Temer. 

++ Marun diz que defesa de Temer está analisando quando divulgará extratos

Barroso autorizou a quebra de sigilo bancário do presidente atendendo a um pedido do delegado Cleyber Malta, responsável pelo inquérito que investiga irregularidades na edição do Decreto dos Portos, assinado em maio de 2017. A quebra de sigilo abrange o período entre 2013 e 2017.

 

O inquérito contra Temer foi solicitado pelo então procurador-geral da República Rodrigo Janot em junho do ano passado e teve sua abertura autorizada por Barroso, em setembro. A apuração mira os possíveis crimes de lavagem de dinheiro, corrupção ativa e corrupção passiva.

++ Governo vai recorrer da decisão de Barroso que mudou indulto, diz Marun

Além do presidente, são investigados Loures, ex-assessor de Temer e ex-deputado federal, e Antônio Celso Grecco e Ricardo Conrado Mesquita, respectivamente dono e diretor da empresa Rodrimar. Todos negam irregularidades.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.