PF mostra lobby de Tuma Jr. em favor de 'genro'

Ligações mostram que delegado ficou irritado quando soube que namorado da filha não foi aprovado em concurso para escrivão da Polícia Civil

Rodrigo Rangel, O Estado de S. Paulo

06 Maio 2010 | 00h01

BRASÍLIA - Novos diálogos interceptados pela Polícia Federal revelam detalhes de uma articulação do secretário nacional de Justiça, Romeu Tuma Júnior, para conseguir aprovar o genro em um concurso público para preenchimento de vagas de escrivão da Polícia Civil de São Paulo.

 

De acordo com as gravações, às quais o Estado teve acesso, antes mesmo da aplicação das provas, Tuma Júnior já havia feito chegar à Academia de Polícia de São Paulo, órgão encarregado de realizar os concursos da Polícia Civil, o heterodoxo pedido: queria, de todo modo, que o namorado da filha fosse aprovado.

 

As conversas mostram que Tuma Júnior ficou irritado quando soube que seu "futuro genro" havia ficado fora da lista de aprovados. É quando começa uma sucessão de telefonemas para tentar reverter o resultado. Do outro lado da linha, em todos os diálogos, estava o policial Paulo Guilherme Mello, o Guga, braço direito de Tuma Júnior no Ministério da Justiça.

 

Mello, um dos alvos da investigação da Polícia Federal, havia sido encarregado por Tuma Júnior para cuidar da "aprovação" do genro do secretário.

‘Pedidos’. O próprio secretário nacional de Justiça trata do assunto num dos telefonemas, em 19 de junho do ano passado. "Vê com aqueles cornos lá o que aconteceu lá, naquele rapaz lá, que cê foi falar aquela vez", ordenou a Mello.

 

Como o resultado já estava publicado, o próprio Tuma sugeriu que uma solução seria o genro apresentar um recurso - o que, em sua avaliação, poderia ajudar a reverter a reprovação. "Eu mandei ele fazer recurso", disse o secretário.

 

O assessor Mello relata as providências que adotara para atender ao pedido do chefe. "Eu falei com a pessoa que cê mandou eu falar (...) e aquele dia mesmo ele já ligou pra alguém, né, na minha frente." Tuma Júnior lamenta mais uma vez: "Que sacanagem, cara". Nas conversas, nem ele, nem seu assessor dizem o nome do genro do secretário.

Ao ouvir a cobrança do chefe, o assessor afirma que voltou à pessoa que havia procurado inicialmente para transmitir o pedido: "Eu falei inclusive hoje de novo com ele, com o moço lá, e ele... ele falou que ia falar com o cara." Por fim, Mello atalha: "Agora, se tem essa possibilidade do recurso, depois eu entro em contato com ele, já me dá uma cópia aí eu levo pra ele de novo."

 

A pessoa com quem Mello disse ter conversado, de acordo com os relatórios da Polícia Federal, é o delegado Antônio Carlos Bueno Torres, atualmente lotado no Denarc.

 

No contato, duas horas antes do diálogo com Tuma, Mello cobrou do delegado: "Escuta, você lembra que eu fui te visitar e o Leocádio (segundo a PF, Leocádio é como o assessor se refere a Tuma) pediu pra eu te passar o nome de uma pessoa?". "Positivo", responde Torres. "Então, ele chegou (...) de viagem hoje cedo e me cobrou isso aí, falou que não virou lá o negócio, né, e pediu pra ligar pra você pra perguntar o que aconteceu (...) Depois você liga pra ele lá, hein."

 

O delegado Torres de pronto lembra do pedido - "P., era do futuro genro dele" - e afirma ter repassado a demanda para um certo Adilson, que a PF ser o delegado Adilson Vieira Pinto, diretor da Academia de Polícia de São Paulo. "Pô, falei direto com o Adilson, que é o diretor lá. Eu vou tentar reconstituir aí", diz o delegado. "Então, ele vai te cobrar aí", afirma o assessor. O delegado promete empenho: "C..., eu vou correr atrás aí..."

Mais conteúdo sobre:
Tuma Junior Paulo Li PF

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.