PF liberta trabalhadores mantidos como escravos

Agentes da Polícia Federal e fiscais do Ministério do Trabalho libertaram hoje 75 trabalhadores rurais que eram mantidos em regime de trabalho escravo num canavial da destilaria de álcool Gameleira S/A, em Confresa, município situado a 1.160 quilômetros de Cuiabá. Outros 30 fugiram do local devido às ameaças de morte e espancamentos, além do não pagamento de salários e péssima alimentação. Os trabalhadores são do Maranhão.Além de sofrer espancamentos, eles tinham uma carga excessiva de trabalho estimada em 20 horas, sem direito a folgas, horários de refeições e feriados, segundo Claúdia Márcia Brito, coordenadora da equipe de fiscalização móvel do Ministério do Trabalho.O gerente da destilaria, Cláudio Pedrosa, negou todas as denúncias do Ministério do Trabalho. Segundo ele, os trabalhadores do município de Paraiban (MA), que foram trabalhar na destilaria, não estavam com os salários atrasados; ninguém foi espancado; não havia jagunços armados no local; e garantiu que nenhum trabalhador era mantido em regime de escravidão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.