PF investiga vazamento de informações sigilosas da Operação Ponto Final

Investigação apura esquema de pagamento de propinas por empresas de ônibus a políticos e agentes públicos do Rio

O Estado de S. Paulo

23 Julho 2017 | 23h19

RIO - A Polícia Federal (PF) investiga o vazamento de informações sigilosas sobre o empresário Jacob Barata Filho e outros dez acusados na Operação Ponto Final, que investiga esquema de pagamento de propinas por empresas de ônibus a políticos e agentes públicos do Rio. A informação foi revelada pelo programa Fantástico, da Rede Globo.

Policiais encontraram na mala de Jacob Filho, conhecido como “rei do ônibus” no Estado do Rio, a ordem judicial para a quebra do sigilo bancário dele e de outras dez pessoas. O empresário não deveria ter acesso ao documento e pode responder pelo crime de obstrução à Justiça. A PF investiga agora quem poderia ter vazado a informação.

O flagrante ocorreu no momento em que o empresário foi preso, quando embarcava para Portugal pelo aeroporto do Galeão, no Rio. Barata Filho, um dos maiores empresários do setor de transportes no Rio, é acusado de integrar uma organização criminosa que movimentou R$ 260 milhões num esquema para  garantir contratos milionários com o governo do Rio.

As investigações apontam ainda que o ex-governador do Rio Sergio Cabral (PMDB) recebeu R$ 122,8 milhões em propinas de empresas de ônibus entre os anos de 2010 de 2016. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.