PF investiga só quem vazou gasto de FHC; oposição cobra autor

Casa Civil, suspeita de ter montado papelada, não será alvo de apuração; adversários falam em farsa

Da Redação,

07 de abril de 2008 | 22h13

Duas semanas depois da divulgação de um dossiê sobre os gastos do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e da ex-primeira-dama Ruth Cardoso, o governo convocou ontem a Polícia Federal e determinou a abertura de um inquérito para investigar o vazamento das informações. E apenas o vazamento. A autoria e a responsabilidade pelo dossiê ficarão de fora do inquérito, isto é, a PF não investigará a Casa Civil, principal suspeita de ter montado a papelada. A oposição reagiu, classificando de "farsa" a investigação, aberta a pedido da ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff.   Veja também:  Ouça entrevista do presidente do Senado à Rádio Eldorado   Especial: Escândalo dos cartões corporativos   Enquete: PF deve investigar somente o vazamento de dados de FHC ou deve apurar também o responsável pelo dossiê na Casa Civil? Dossiê com dados do ex-presidente FHC  Forúm: Quem ganha e quem perde com a CPI?        "O governo está preocupado em saber quem viu o assassinato e não quem assassinou", ironizou o líder do PSDB no Senado, Arthur Virgílio (AM). Segundo ele, a opinião pública precisa saber quem fez o dossiê. "O que é fato é fato. Queremos investigar os cartões presidenciais e, inclusive, quem vazou, mas sobretudo quem fez o dossiê. Investigar apenas o vazamento não satisfaz a nenhum analista de bom senso." Para o governo, contudo, coletar dados não é crime. A única irregularidade seria a divulgação de informações protegidas por sigilo. "O resto é debate político entre governo e oposição", afirmou o ministro da Justiça, Tarso Genro.

Tudo o que sabemos sobre:
Cartões corporativos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.