PF investiga se fraude envolveu políticos

Após a prisão de 17 pessoas na Operação Jaleco Branco, quinta-feira, na Bahia, a Polícia Federal tenta identificar se políticos do Estado se beneficiaram do esquema de fraudes em licitações que provocou prejuízo de R$ 630 milhões aos cofres públicos em dez anos. Segundo as investigações, o presidente do Tribunal de Contas do Estado, Antonio Honorato de Castro Neto, intermediava a liberação de verba a empresas privadas nas secretarias em troca do apoio a campanhas políticas. De acordo com a PF, um dos beneficiados foi o filho do presidente do TCE, Adolfo Viana de Castro Neto, que não se elegeu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.