PF investiga quem vazou fitas do caso Sudam

A Polícia Federal decidiu abrir inquérito para apurar o vazamento de informações sobre as fraudes da Sudam. Em uma nota divulgada hoje, a PF afirma que o processo sobre as irregularidades está correndo em segredo de Justiça, o que torna crime sua divulgação antecipada. A decisão da PF só foi tomada após reclamação feita pelo ministro do Integração Nacional, Fernando Bezerra.A divulgação do teor da escuta telefônica feita pela PF surpreendeu até mesmo o ministro da Justiça, José Gregori, a quem a PF está subordinada. Gregori chegou a ligar para o diretor-geral da instituição, Agílio Monteiro Filho, para saber se realmente existia o grampo telefônico. Hoje, Fernando Bezerra confirmou que as principais autoridades do governo a quem as investigações interessariam estavam sem saber de nada. "Disse que me sinto inconformado em não ter tomado conhecimento das fitas", afirmou Bezerra, relatando a conversa que tivera com o seu colega da Justiça. A Bezerra, Gregori confirmou que não sabia do fato e não disse quem poderia ter vazado as informações.A nota da PF sugere que o vazamento partiu do Ministério Público Federal. "No dia 23/03/01, o Ministério Público Federal no Estado de Tocantins requisitou o inquérito e até a presente data não o devolveu à Polícia Federal no Tocantins", diz a nota oficial. Hoje, o procurador da República em Tocantins, Mário Lúcio Avelar garantiu que as informações não saíram do MPF em seu Estado. "É bom que se abra mesmo o inquérito para apurar o vazamento", disse Avelar.No comunicado, a PF confirma que estava fazendo investigações tanto em Tocantins como no Pará, Amazonas, Mato Grosso e Maranhão, "a maior parte delas com quebra de sigilo fiscal, bancário e telefônico". As escutas telefônicas se referem ao inquérito aberto em Tocantins para apurar fraudes em projetos financiados pela Sudam em Paraíso do Tocantins, onde ficou constatado que no local onde deveriam estar os empreendimentos, existiam apenas mato e placas informando sobre a instalação deles.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.