PF investiga motivação racista em incêndio na UnB

A Polícia Federal abriu inquérito nesta quarta-feira para apurar o incêndio criminoso, com motivação racista, dos alojamentos de alunos africanos da Universidade de Brasília (UnB). Os três apartamentos incendiados tinham cruzes vermelhas e o símbolo da organização racista norte-americana Ku Klux Klan (KKK) pintados nas portas.O episódio ocorreu um dia depois de a ministra chefe da Secretaria Especial de Política de Promoção da Igualdade Racial (Seppir), Matilde Ribeiro, ter declarado que não é racismo quando um negro se insurge contra um branco, pois "quem foi açoitado a vida inteira não tem obrigação de gostar de quem o açoitou".Para a PF, porém, é cedo para tirar qualquer conclusão pois são comuns casos de vandalismo desse tipo em instalações da UnB. Além disso, o grupo de africanos teria tido um desentendimento com alunos brasileiros no final do ano passado, conforme informou o reitor da universidade, Thimoty Mulholand.O incêndio ocorreu por volta das 4h nas portas de três apartamentos do Bloco B da Casa do Estudante Universitário. Testemunhas disseram à polícia terem ouvido uma explosão de bomba caseira pouco antes. Os imóveis são habitados por oito estudantes africanos, mandados pelos governos de seus países mediante convênio com a UnB.A PF vai investigar se tem algo a ver com o caso o fato de os extintores de incêndio estarem esvaziados nos primeiro e segundo andares. se foi proposital ou não o esvaziamento dos extintores. Matéria alterada às 10h31

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.