PF investiga e-mails da mulher de Daniel Dantas

A interceptação da caixa de e-mails de Maria Alice Dantas, mulher de Daniel Dantas, sócio-fundador do Grupo Opportunity, levou à identificação de planilhas com nomes de supostos beneficiários de recursos do Opportunity Fund, visto pela Polícia Federal (PF) como um canal para remessas ilegais a paraísos fiscais. A PF pediu a quebra do sigilo bancário da conta de Maria Alice para identificar os destinatários de valores pagos pelo grupo de Dantas. Peritos federais e do Conselho de Controle de Atividade Financeiras (Coaf) e do Banco Central verificaram que, entre janeiro e novembro de 2005, ela movimentou R$ 21,4 milhões sem que tivesse fonte de renda.Os dados constam do relatório final do delegado Protógenes Queiroz, que conduziu a Operação Satiagraha e desvendou suposto esquema de desvio de recursos públicos, evasão de divisas, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha. O relatório foi juntado ao inquérito no dia em que Protógenes indiciou Dantas, sob acusação de gestão fraudulenta e formação de quadrilha.As movimentações bancárias de Maria Alice não teriam sido informadas ao Banco Central e ao Coaf, em descumprimento à "carta-circular Banco Central 2.826/98". Segundo a PF, essas operações "estão vinculadas ao envolvimento dos agentes do Grupo Opportunity na lavagem de dinheiro". Maria Alice não exerceria nenhuma atividade no grupo, mas seu nome figuraria como sócia-administradora de três empresas.Para o delegado, além de Maria Alice ser suspeita de ter uma conta para lavagem de dinheiro, ela também seria "usada como ''laranja'' para abertura de empresas". Protógenes aponta conversas telefônicas e e-mails interceptados para justificar suas suspeitas. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.