PF investiga compra de medicamentos para Aids e insulina

A Polícia Federal começou a investigar as licitações feitas pelo Ministério da Saúde para a compra de medicamentos de Aids e insulina. Escutas telefônicas feitas pela Operação Vampiro, desencadeada na quarta-feira, mostram supostos envolvidos nas fraudes falando sobre concorrências nas duas áreas. A devassa iniciada em outros processos de compras do ministério deverá incluir, como prioridade, as duas áreas. Hoje a PF ouviu pelo menos mais duas pessoas das 13 que estão presas em Brasília. Investigadores que trabalham no caso informaram que integrantes do esquema de fraudes em licitações do Ministério da Saúde também tentavam articular irregularidades em torno da compra de remédios de Aids e insulina, cujos valores são tão altos quanto os hemoderivados. As gravações, que fazem parte do relatório de mais de 300 páginas feito pela PF, não foram reveladas para não comprometer a investigação, mas pode envolver o ex-coordenador-geral de Recursos Logísticos do ministério, Luiz Cláudio Gomes da Silva, homem de confiança do ministro Humberto Costa. Além das escutas telefônicas feitas com autorização judicial, a Polícia Federal tem uma série de filmagens mostrando as ações do grupo. No levantamento feito pelo governo, as fraudes em torno da compra de hemoderivados pode chegar a mais de R$ 2 bilhões, nos últimos 12 anos, dados não confirmados pela investigação feita pelo Ministério Público Federal, a partir de 1999.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.