PF inicia caçada a "laranja" da Sudam

A Polícia Federal iniciou uma caçada nacional para localizar o empresário José Alves Pereira Neto, ex-dono da empresa Álcool Brasileiro S/A (Alcobrás), acusado de desviar R$ 150 milhões da Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia (Sudam). O dinheiro era destinado à instalação de uma usina de álcool no Acre, na década de 80. A caçada ao empresário foi determinada pela Justiça Federal a pedido da Procuradoria da República no Acre, que abriu inquérito contra Pereira Neto, suspeito de atuar como "laranja" do empreendimento para desviar dinheiro da Sudam. Além do desvio, o procurador da República Marcus Vinícius Aguiar Macedo investiga uma possível ligação do empresário com o senador cassado Luiz Estevão. Além de negar a compra da Alcobrás, Estevão afirma que nunca esteve no Acre.Documentos enviados ano Acre pelo Ministério Público Federal de São Paulo dão conta de que a Iepê Empreendimentos, do Grupo Inkal, que teria entre seus sócios o ex-senador, comprou a Alcobrás em 1997. A documentação comprova que a empresa do Grupo Inkal teria comprado a usina de álcool no Acre, mas não pagou o Banco do Brasil, um dos financiadores do projeto. O grupo Inkal é acusado de envolvimento no desvio de parte dos R$ 169,5 milhões da obra superfaturada do Tribunal Regional do Trabalho de São Paulo (TRT). A usina montada por José Alves Pereira Neto chegou a funcionar, mas produziu álcool apenas um dia. Com o fracasso do projeto, os bens da Alcobrás foram penhorados pela Justiça, a pedido do Banco do Brasil, e as terras do empreendimento arrecadadas pelo Incra para o assentamento de trabalhadores rurais. Depois, o empresário mudou-se para Fernandópolis (SP) e nunca mais voltou ao Acre.A Justiça Federal do Acre negou o pedido de prisão provisória do empresário José Alves Pereira Neto feito pela Procuradoria da República. Mas determinou que a PF o localize, para que preste depoimento no inquérito que apurar fraudes no Fundo de Investimentos da Amazônia (Finam), linha de crédito da Sudam destinada a empreendimentos na região.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.