PF faz operação em time de futebol de Luiz Estevão

A Polícia Federal realizou uma operação de busca e apreensão nesta segunda-feira, 5, na sede do clube de futebol Brasiliense, de propriedade de Luiz Estevão, e no escritório do ex-senador cassado. Segundo a PF, o objetivo da operação é investigar crimes previdenciários, mas os detalhes da operação só seriam divulgados em entrevista coletiva nesta tarde. Há suspeitas de que o clube deixava de recolher a contribuição previdenciária dos seus jogadores.Os mandados de busca e apreensão de documentos do Brasiliense Futebol Clube foram autorizadas pela 12ª Vara da Justiça Federal. A Polícia Federal (PF) apreendeu apenas documentos nos dois endereços e ninguém foi preso.O Ministério da Previdência alegou, na ação, que o clube se recusava sistematicamente a fornecer os documentos pedidos pela fiscalização. Por terem dificultado o trabalho dos fiscais, o clube e seu dono agora responderão a inquérito criminal. Luiz Estevão, que compareceu ao escritório no momento da apreensão dos documentos, negou que tenha cometido qualquer irregularidade e disse que não teme a investigação. As buscas foram comandadas pelo delegado Carlos César Pereira, chefe da Delegacia de Repressão a Crimes Previdenciários.O ex-senador foi cassado em 2000 por quebra do decoro, sob a acusação de envolvimento no desvio de recursos da obra do Tribunal Regional de São Paulo. Em dezembro de 2002, ele foi denunciado pelo Ministério Público sob a acusação de não recolher INSS dos jogadores do clube. Mas nas ações individuais movidas por vários jogadores ele foi inocentado.O Brasiliense foi fundado em 2000 e desde então teve ascensão trajetória meteórica, sagrando-se campeão da segunda divisão do campeonato do Distrito Federal. No ano seguinte foi vice-campeão local e em 2002 já estava na elite do futebol brasileiro, tendo alcançado o vice-campeonato da Copa do Brasil, após perder a final para o Corinthians. Pelo clube já passaram estrelas do futebol, como Marcelinho Carioca, Iranildo e Túlio Maravilha.Texto ampliado às 22h24

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.