PF fará devassa em empresas de segurança

A Polícia Federal vai fazer uma devassa nas empresas de segurança de algumas regiões do País, principalmente São Paulo e Campinas, depois de encontrar indícios da existência de informantes de seqüestradores entre vigilantes. A operação, que está sendo planejada em sigilo, vai atingir as centenas de empresas clandestinas levantadas pelo setor de inteligência da Polícia Federal."Muitas empresas podem ser apenas fachada para facilitar a ação de seqüestradores", afirma uma fonte do Ministério da Justiça, explicando que muitas são hoje dirigidas por ex-militares e até mesmo militares da ativa, principalmente da Polícia Militar.A devassa da PF vai levantar as empresas que estão funcionando ilegalmente. Somente no ano passado, a PF encontrou 165 firmas que exploram este tipo de serviço, mas não possuem registro no Ministério da Justiça. Outras 65 foram canceladas por atuarem de forma irregular. Entretanto, cerca de 1.300 empresas estão em situação regular e dificilmente serão afetadas pela operação que vai ser desencadeada pela polícia.O levantamento será feito especialmente na região de Campinas e na Grande São Paulo, onde cresceram os casos de seqüestros, inclusive os relâmpagos, uma das principais preocupações da polícia paulista. "Este tipo de empresa pode estar cometendo dois tipos de crime: fornecendo informações para seqüestradores sobre possíveis vítimas e atuando na clandestinidade", afirma a fonte do governo federal.Plano NacionalA fiscalização mais intensa nas empresas de segurança é um dos itens do Plano Nacional de Segurança Pública considerados de aplicação imediata. Tanto é, que a PF reforçou o setor que atua na área de segurança privada com mais cinco delegados, além de adequar os núcleos regionais com mais agentes.Hoje, o serviço de segurança é um dos mais rentáveis do País, principalmente depois do aumento dos casos de seqüestros, considerados, conforme pesquisa do Núcleo de Estudos Contra a Violência da Universidade de São Paulo (USP), como o segundo crime mais temido pela população.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.