PF envia relatório da Operação Taturana ao STJ

Ação investigou um rombo de R$ 300 mi nos cofres da Assembléia Legislativa de AL envolvendo parlamentares

RICARDO RODRIGUES, Agencia Estado

10 de novembro de 2008 | 19h50

O superintendente da Polícia Federal em Alagoas, José Pinto de Luna, confirmou na manhã desta segunda-feira, 10,  que relatório final sobre a Operação Taturana, que investigou um rombo de R$ 300 milhões nos cofres da Assembléia Legislativa de Alagoas, seguiu hoje para Brasília, onde será protocolado no Superior Tribunal de Justiça (STJ). O relatório denuncia metade dos deputados estaduais com mandato e vários ex-deputados, entre eles Cícero Amélio, que apesar de tido indiciado pela PF, acusado de participação no golpe, foi empossado conselheiro do Tribunal de Contas do Estado (TCE).O relatório foi levado pelo delegado Janderlyer Gomes, que presidiu o inquérito sobre a Operação Taturana. Gomes explicou que a denúncia seria feita inicialmente ao Tribunal Regional Federal da 5ª Região, com sede no Recife (PE), mas como no curso do inquérito o ex-deputado Cícero Amélio foi empossado como conselheiro do TCE, a denúncia teve que ser feita ao STJ, já que conselheiros de Tribunais de Contas gozam de foro privilegiado. Dos 110 indiciados, quinze são deputados estaduais, entre eles o ex-presidente Antônio Albuquerque (sem partido), que foi afastado do mandato junto com outros onze parlamentares. Foram indiciados também 11 ex-deputados e dois prefeitos reeleitos: Fábio Jatobá (PTB), em Roteiro, e Cícero Almeida, em Maceió. Com o afastamento de parte dos deputados indiciados na Operação Taturana, pelos menos seis suplentes já tomaram posse na Assembléia Legislativa, o último deles - Hildon Fidélis da Silva, mais conhecido como Castelo - obteve apenas 354 votos nas eleições de 2006, mesmo assim ocupa a vaga do deputado estadual Marcos Ferreira (PMN), afastado por decisão judicial. A exemplo dos outros suplentes, Castelo entrou na Justiça e conseguiu tomar posse como suplente de Ferreira. Outros suplentes tentam o mesmo. Com isso, o Legislativo alagoano que deveria contar com 27 deputados, mas já tem pelo menos 33 parlamentares - dos quais seis foram afastados.

Tudo o que sabemos sobre:
PFOperação TaturanaSTJ

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.