PF envia a banco fortuna apreendida com quadrilha no AM

A Polícia Federal concluiu nesta quarta-feira o levantamento do material apreendido no primeiro dia da Operação Albatroz, responsável pela prisão de 20 pessoas no Amazonas, entre elas o ex-secretário de Fazenda do governo Amazonino Mendes, Alfredo Paes, e o prefeito de Presidente Figueiredo, Romeiro Mendonça, que formavam uma quadrilha chefiada pelo deputado estadual Antônio Cordeiro (PPS). O volume de dinheiro e jóias apreendidos é surpreendente. Na relação apresentada pela PF constam US$ 50 mil que estavam em poder João Gomes Vilela (presidente da Comissão Geral de Licitação do Amazonas) e R$ 371 mil em poder do ex-secretário Alfredo Paes. Mas a grande soma mesmo foi encontrada na casa do deputado Cordeiro: R$ 755.068,00, U$ 13 mil, 835 Euros, 20 libras e 1,5 milhão em títulos da dívida pública. Em poder do deputado foi encontrada, ainda, grande quantidade de jóias, a maioria relógios das marcas Cartier e Rolex, de alto valor comercial. A Superintendência da Polícia Federal do Amazonas, no entanto, não sabe ainda o valor das mercadorias apreendidas. "Estamos encaminhando todo esse material para um banco, por segurança. Depois a polícia técnica irá avaliar e determinar a procedência de cada peça", disse a superintendente Maria das Graças Malheiros. Dos 20 presos na terça-feira, nove já prestaram depoimento: Mario Ricardo Farias Gomes, Cristiê Jéferson Moura dos Anjos, Alfredo Paes, Romeiro Mendonça, Elionai de Oliveira Soares, Maria Isabel Martins Gomes, Laerte Maués e Moacir Coutinho dos Santos. Segundo a superintendente da PF, três deles optaram por falar apenas em juízo. "Só não posso dizer quais foram", completou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.