PF encontra 7 corpos em garimpo de diamantes

Policiais federais encontraram na manhã deste sábado, na reserva indígena Roosevelt, em Cacoal (RO), os corpos de sete garimpeiros mortos a tiros. Todos eles estavam enfileirados e tinham marcas de tortura e espancamento, segundo o delegado Pedro Valério, que abriu inquérito para apurar as mortes.?Os cadáveres tinham até mais de cinco tiros cada um?, afirmou Valério. Na região está localizado um dos maiores garimpos ilegais de diamantes do País. Segundo a Polícia Federal, os sete homens, que seriam garimpeiros da região conhecida como ?Baixão?, já estavam em adiantado estado de putrefação.Podem ter sido os índios...?Podem ter sido mortos há pelo menos uns 30 dias?, observou o delegado, que não descarta a possibilidade de existirem outros corpos espalhados pela região, onde está concentrada a extração ilegal de diamantes.No local, os policiais também encontraram flechas, não descartando, desta forma, a possibilidade de a execução ter sido feita por índios. ?Este é um detalhe que estamos tratando com cautela?, afirma um policial ligado à Divisão de Ordem Política e Social (Dops) da PF, responsável pelas investigações deste tipo de conflito....ou não?Pode ter sido ataque de garimpeiros pelos próprios colegas, que tentam jogar a culpa nos índios.? O garimpo do Roosevelt fica a cerca de 30 quilômetros da aldeia dos índios cinta-largas, mas sua localização é exatamente no centro da terra indígena, onde os conflitos começaram no ano passado em função da extração dos diamantes.Hoje, segundo o Ministério Público Federal e a PF, garimpeiros e índios estão unidos a políticos e comerciantes locais nessa atividade ilegal. A PF também apurou que o mineral está sendo contrabandeado para Europa e Estados Unidos. Pelo levantamento da PF, após encontrar os sete corpos, já é de 12 o número de mortos na região, onde duas outras pessoas estão desaparecidas.Pelo levantamento do escritório local da Fundação Nacional do Índio (Funai), os homicídios podem chegar à 40 nos últimos dez meses.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.