PF emite alerta a aeroportos para evitar fuga de Álvaro Lins

Acusado de envolvimento na máfia dos caça-níqueis, ex-deputado teve a prisão decretada na 5ª e está foragido

Solange Spigliatti, do estadao.com.br,

18 de agosto de 2008 | 08h52

A Polícia Federal emitiu desde o último domingo, 17, um alerta para todos os aeroportos do País para evitar uma possível fuga do ex-deputado e delegado da Polícia Civil Álvaro Lins, que teve prisão preventiva decretada na última quinta e já é considerado foragido. Segundo a PF, o alerta foi enviado também para outros meios de transporte, como portos e rodoviárias, para impedir que Lins deixe o País. Na última terça-feira, 12, Lins perdeu a imunidade parlamentar, quando a Assembléia Legislativa cassou seu mandato de deputado estadual pelo PMDB por conta das denúncias de envolvimento na máfia dos caça-níqueis.   Veja também: Álvaro Lins é considerado foragido pela Polícia Federal Justiça decreta nova prisão do deputado cassado Álvaro Lins Lins recorrerá ao TJ-RJ para retomar mandato Assembléia do Rio cassa mandato do deputado Álvaro Lins   Lins foi denunciado pelo Ministério Público Federal (MPF) sob as acusações de formação de quadrilha armada, corrupção passiva, lavagem de dinheiro e facilitação de contrabando. O ex-deputado, que chefiou a Polícia Civil do Rio de 2000 a 2006 nos governos de Anthony Garotinho e Rosinha Matheus, todos do PMDB, também enfrenta dois processos administrativos na Corregedoria Geral Unificada, da Secretaria de Segurança Pública, e pode ser expulso do quadro da Polícia Civil.   Lins foi preso no fim de maio durante a operação Segurança Pública S/A, da Polícia Federal (PF). Na ocasião, também foram cumpridos mandados de busca e apreensão na casa de Garotinho, acusado de ter dado sustentação política à "organização criminosa" supostamente comandada por Lins. A prisão, porém, durou pouco - ele foi solto no dia seguinte, por decisão de colegas da assembléia (40 votos a 15), que a consideraram, na época, "ilegal".

Tudo o que sabemos sobre:
PFÁlvaro Lins

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.