PF e Unicamp voltam a investigar painel do Senado

A Polícia Federal e a Unicamp vão retirar nesta sexta-feira do plenário doSenado os originais dos discos rígidos do painel de votação da Casa.O objetivo das novas investigações nosistema do Senado é tentar descobrir se outras votações foram violadas.?Em tese, outras violações podem ter ocorrido?, atestou o corregedor-geral do Senado, Romeu Tuma (PFL-SP), que recebeu novo relatório da PF e pediu mais análises.?Como a própriaUnicamp indicou que existem 18 pontos de vulnerabilidade do sistema, é impossível dizer se houve ou não outras votaçõesvioladas?, reiterou o primeiro-secretário do Senado, Carlos Wilson (PPS-PE).Mas o presidente do Senado, Jader Barbalho (PMDB-PA), preferia dar esse caso por encerrado. ?Este é um tema menor, e nãoestou preocupado com ele porque considero-o ultrapassado?, desconversou Jader.?O que precisamos saber é se o painel daquipara a frente poderá ser utilizado com toda a segurança. Enquanto a questão não for equacionada, vamos manter o sistematradicional toda vez que houver necessidade de votação secreta?, afirmou ele, que acha que é hora de temas como esse saíremda pauta.?Temos de trabalhar coisas importantes, como reforma do Judiciário, lei das S.As. e das diretrizes orçamentárias, além decuidar da comissão especial que vai apresentar sugestões para a crise de energia.?Na opinião de Jader, se houver comprovaçãode outra fraude, esta é uma questão que tem de ser tratada pelo Ministério Público. ?Não vamos ficar com postura policialescaagora?, afirmou, em uma crítica indireta ao senador Tuma, que insiste na investigação do painel.?O caso dos dois senadores está encerrado, mas o inquérito de violação do painel, não?, contra-atacou Tuma. ?Precisamossaber se a empresa que instalou o painel garantiu que ele era inviolável, porque, se assim for, precisamos entrar com ação naJustiça contra ela para exigir indenização?, avisou.O corregedor do Senado disse que nos disquetes avaliados anteriormente pela PF não foi constatada violação, mas apenasindícios, que já tinham sido mostrados pela Unicamp.Tuma informou ainda que o fato de o técnico do Prodasen, Ivar Ferreira,marido de Regina Borges, ter acessado o sistema outras vezes, inclusive extraindo listas de votações, não significa violação.?Pode ter sido um teste, e não há nada que indique que essas listas foram fruto de violação de outras votações no painel?, disseTuma.O senador Carlos Wilson avisou que vai exigir a presença de todos os envolvidos no processo de investigação da violação dopainel na retirada dos disquetes rígidos para que seja retirada uma cópia do que está sendo encaminhado à PF e à Unicamp paradepois não ser acusado de ter permitido que o Senado ficasse sem os originais do computador.?Preciso de garantias, e a cópia autenticada que ficar aqui vai permanecer lacrada?, assegurou ele.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.