PF e Gaeco deflagram operação para apurar desvio de R$ 203 mi em Ribeirão Preto

Operação Sevandija apura crimes de fraude em licitações, peculato, corrupção ativa e passiva e tráfico de influência na prefeitura

Gustavo Porto, O Estado de S. Paulo

01 Setembro 2016 | 08h07

RIBEIRÃO PRETO - A Polícia Federal (PF) e o Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público do Estado de São Paulo deflagraram na manhã desta quinta-feira, 1º, a Operação Sevandija para apurar crimes de fraude em licitações, peculato, corrupção ativa e passiva e tráfico de influência na prefeitura de Ribeirão Preto, cujos desvios chegariam a R$ 203 milhões. São cumpridos simultaneamente 13 mandados de prisão temporária, 17 de condução coercitiva e 48 de busca e apreensão.

Os alvos são a sede da prefeitura de Ribeirão Preto, o Palácio do Rio Branco, gabinetes na Câmara Municipal, a Secretaria Municipal de Educação, a sede da Administração Municipal, além Companhia de Desenvolvimento de Ribeirão Preto (Coderp), o Departamento de Águas e Esgoto de Ribeirão Preto (Daerp) e empresas privadas sediadas na própria cidade do interior paulista, Santos e Campo Grande, no Mato Grosso de Sul.

Segundo a PF e o Gaeco, as investigações da operação cujo nome é sinônimo de "pessoa que vive à custa alheia", ou "parasita", tiveram início em julho de 2015. A apuração ocorreu "após informações de que estariam ocorrendo fraudes em setores da prefeitura de Ribeirão Preto, na Câmara Municipal e em órgãos públicos, envolvendo dezenas de agentes públicos, agentes políticos e empresas privadas sediadas em várias cidades, inclusive no Estado de Mato Grosso do Sul", informou a polícia em nota.

Os mandados foram expedidos pela 4ª Vara Criminal de Ribeirão Preto e os nomes de presos e de conduzidos coercitivamente ainda não foram informados. Os detalhes devem ser dados em entrevista coletiva, às 10 horas, na sede do Ministério Público Estadual de Ribeirão Preto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.