PF deve entrar em greve a partir de amanhã

Pelo menos cinco mil policiais federais devem entrar em greve a partir de amanhã, reivindicando equiparação salarial das categorias de nível superior. Segundo a Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef), somente 30% dos agentes deverão continuar trabalhando nos serviços essenciais, que são a manutenção da carceragem e nos plantões. O setor de emissão de passaportes deverá ser o mais prejudicado pela paralisação. "No caso dos passaportes, eles só serão liberados em casos emergênciais. Além disso, todas as operações em andamento podem parar também", afirmou o presidente da Fenapef, Francisco Carlos Garisto. Segundo ele, o governo teve um período para poder estudar a proposta da categoria mas, no último dia 4, não apresentou nenhuma alternativa para evitar a greve, que será desencadeada em todo o País. "Não tem mais negociação", acrescentou Garisto.O governo alega não ter recursos para atender à reivindicação dos policiais federais. Em caso de equiparação salarial, o Ministério da Justiça teria que obter um repasse do Tesouro de R$ 600 milhões, já que os salários dos agentes aumentaria de R$ 4,2 mil para R$ 7,8 mil. Além disso, a União alega que muitos policiais, peritos e papiloscopistas entraram na PF antes de 1996, quando foi determinada a obrigatoriedade do nível superior para a categoria.

Agencia Estado,

07 de março de 2004 | 17h02

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.