Ed Ferreira / Estadão
Ed Ferreira / Estadão

PF deflagra operação contra crimes de falsidade eleitoral e lavagem de dinheiro em Minas Gerais

Ação é um desdobramento da Operação Acrônimo, que tem como um dos investigados os ex-governador Fernando Pimentel (PT)

Leonardo Augusto, especial para O Estado, O Estado de S.Paulo

12 de agosto de 2019 | 07h18
Atualizado 12 de agosto de 2019 | 12h09

BELO HORIZONTE - A Polícia Federal deflagrou nesta segunda-feira, 12, a Operação Monograma, contra crimes de falsidade eleitoral e lavagem de dinheiro em desdobramento de outra operação, a Acrônimo, que tem como um dos investigados o ex-governador de Minas Gerais Fernando Pimentel (PT).

O esquema teria movimentado R$ 3 milhões e contou com participação de empresa no Uruguai. Conforme a PF, foram cumpridos dois mandados de busca e apreensão em Belo Horizonte, expedidos pela 32.ª Zona Eleitoral.

Um dos endereços para busca e apreensão da Operação Monograma é o de apartamento de Pimentel, um edifício no bairro Serra, região Centro-Sul de Belo Horizonte. A informação é do advogado do ex-governador, Eugênio Pacelli.

O responsável pela defesa do petista divulgou a seguinte nota: "Estranhamos a medida, que se refere a fatos de 2014. E a Operação Acrônimo já adotou todas as medidas possíveis. Estamos contribuindo, colocando tudo à disposição, apesar do excesso que caracteriza essa busca e apreensão".

A primeira fase da Acrônimo ocorreu em 2015. As investigações que levaram à deflagração da Monograma apontaram, conforme a PF, "possíveis delitos eleitorais, nos quais empresas de consultoria, mediante a simulação de prestação de serviços, teriam sido usadas para o recebimento de vantagens ilícitas em montante superior a R$ 3 milhões".

Provas obtidas pela PF, com base em delação premiada, "indicaram que os valores recebidos decorreram de atuação de agente político em benefício de negócios de empresa brasileira no Uruguai".

Segundo a corporação, "em razão de novo entendimento jurisprudencial, as investigações que anteriormente eram conduzidas pelo Superior Tribunal de Justiça, passaram a tramitar na 32.ª Zona Eleitoral em Belo Horizonte a partir de junho de 2019". Delegados da PF devem conceder uma entrevista sobre a operação às 11h.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.