PF de Mato Grosso detém 35 acusados de crimes ambientais

A Polícia Federal de Mato Grosso prendeu 35 acusados de crimes em terras indígenas, na região de Alta Floresta, Apiacás e Paranaíta, no norte do Estado. Entre os detidos, estavam um ex-superintendente do Ibama e um assessor do deputado estadual Dilceu Bosco (PFL), Geraldo Pereira.De acordo com o Estado, as prisões são resultado da Operação Kayabi, desencadeada nesta quinta-feira pela PF, com o objetivo de reprimir crimes como destruição de florestas, extração ilegal de madeira e grilagem de terras das tribos kayabi, mundurucu e apiacá. A operação ocorreu em Mato Grosso e nos Estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso do Sul e Sergipe e contou com uma equipe de 100 policiais, que cumpriram mandados de busca e apeensão e de prisão, expedidos pela 1ª Vara Federal do Estado.Desde que os índios receberam a concessão das terras, em 2002, cresceu o número de ações de grilagem, abertura de pastagens e extração ilegal de madeira. Até agora, 30 mil hectares já foram desmatados.A investigação da PF sobre o caso teve início em dezembro de 2005, após a solicitação de abertura de inquérito policial por parte do Ministério Público Federal (MPF). A PF trabalhou em conjunto com o Ibama na obtenção de informações reais sobre a situação da área.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.