PF dará 24 horas para Bové deixar o Brasil

O superintendente em exercício da Polícia Federal no Rio Grande do Sul, Dagoberto Garcia, informou há pouco que a instituição vai notificar o líder camponês francês José Bové para deixar o Brasil no prazo de 24 horas. Bové participa na noite desta segunda-feira do Fórum Social Mundial em Porto Alegre (RS), onde apresenta seu testemunho em um auditório da Pontifícia Universidade Católica (PUC) gaúcha.O delegado afirmou que a decisão da PF baseia-se no Estatuto do Estrangeiro, que faculta a instituição a tomar este tipo de atitude quando um visitante pratica atos indevidos ou incompatíveis com sua permanência como turista no País. No último dia 26, Bové participou da destruição de dois hectares de lavouras de milho e soja da multinacional Monsanto na cidade de Não-Me-Toque (RS).A decisão da PF estava sendo ultimada quando o deputado estadual gaúcho Frederico Antunes (PPB) apresentou, no final da tarde desta segunda-feira, uma representação contra Bové. Na representação, entregue ao superintendente em exercício da PF, Antunes pede abertura de inquérito policial para apurar os fatos e afirma que os atos praticados pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), com a participação do ativista francês, constituem "flagrante invasão da propriedade alheia". O delegado disse que o pedido do deputado "ratificou" a posição que já havia sido tomada pela PF de notificar Bové para deixar o País.O delegado disse que a notificação deverá ser cumprida ainda nesta segunda-feira. A PF vai levar Bové à superintendência regional e apresentar a determinação. Se necessário, usará um tradutor público para comunicar-se com o francês.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.