JF Diório|Estadão
JF Diório|Estadão

'PF simplesmente cumpriu ordem judicial', diz ministro da Justiça sobe operação no Senado

Alexandre de Moraes afirmou ainda que ainda não tinha mais detalhes sobre a ação que prendeu quatro policiais legislativos por suspeita de atrapalhar as investigações da Lava Jato e em outras ações da Federal

Tânia Monteiro, O Estado de S.Paulo

21 Outubro 2016 | 12h13

BRASÍLIA - O ministro da justiça Alexandre Moraes disse que a Polícia Federal "simplesmente cumpriu ordem judicial " ao executar as buscas e apreensões no Senado, além de prender agentes da Polícia Legislativa nesta sexta-feira, 21. Após cerimônia de condecoração dia do aviador, na base aérea de Brasília, Moraes disse ainda que não havia recebido a o relatório da PF ou sido informado sobre o "objeto específico da operação" e que, portanto, ainda não poderia dar uma "opinião mais abalizada" sobre o ocorrido.

Segundo o ministro, o diretor-geral da PF , Leandro Daiello, lhe telefonou no inicio da manhã  desta sexta "informando que haveria uma operação". Moraes não disse, no entanto, se Daiello forneceu mais detalhes sobre a ação. 

O ministro da Justiça se recusou a comentar queixas de parlamentares de que esta operação seria uma interferência de um poder sobre outro (Judiciário sobre Legislativo)."Só repito que o que a PF fez foi cumprir ordem judicial de sequência de uma operação", reiterou, acrescentando mais uma vez que vai aguardar relatório da PF sobre a operação para falar.

Métis. A Operação Métis, deflagrada na manhã desta sexta-feira no Senado, prendeu quatro agentes da Polícia Legislativa por suspeita de atrapalhar as investigações da Operação Lava Jato e em outras ações da Federal. Segundo delação premiada de um policial ao Ministério Público Federal, os senadores Fernando Collor (PTB), Edison Lobão (PMDB) e o ex-presidente José Sarney teriam sido beneficiados pela ação do grupo detido

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.